11/03/2019 11h36 - Atualizado em 11/03/2019 11h37

COMUNIDADE DO MARUPÁ PELA PRIMEIRA VEZ GANHA POSTO DE SAÚDE BATIZADO COM O NOME DE VIRGILINA SANTOS DA SILVA


COMUNIDADE DO MARUPÁ PELA PRIMEIRA VEZ GANHA POSTO DE SAÚDE BATIZADO COM O NOME DE VIRGILINA SANTOS DA SILVA

Aos cuidados da competente profissional Rosilene Oliveira, que exerce as funções de microscopista, técnica e enfermeira no Posto de Saúde Virgilina Santos da Silva, no Garimpo do Sudário, numa parceria da prefeitura através da Secretaria de Saúde- SEMSA, e comunidade.

Há 60 anos a família Sudário, fundou a comunidade do Marupá, e uma das pioneiras foi a senhora Virgilina Santos da Silva, hoje homenageada com a instalação do posto de saúde, que recebeu seu nome.

Na década de 60, o garimpeiro Nilson Pinheiro (Pioneiro na garimpagem do Tapajós), chegou a comunidade do Sudário, pesquisou e desbravou as matas, com uma pequena trilha foi rasgando à dentro até descobrir outras terras, lá se instalou, a qual deu o nome de Comunidade do Cuiucuiu. Nesta comunidade, Nilson Pinheiro começou a exploração do ouro. Logo depois viu que precisava chegar a outros centros para comercializar o produto, então, construiu a primeira pista de garimpo, para pouso e decolagem de aeronaves, que iriam transportar levando mantimentos, combustíveis e as primeiras remessas de ouro. Daí por diante foi crescendo a busca pelo metal precioso e as pequenas comunidades, foram transformadas nos garimpos e mais garimpos ao longo das décadas, contribuindo para formar a maior Província Aurífera da Região do Tapajós.

Porém apesar do grande fluxo de migrantes, essas comunidades garimpeira, nunca receberam um local fixo para atender os garimpeiros que contraiam as doenças infecciosas como malária, febre amarela, hepatite, entre outra, pois terminavam vindo a óbito por falta dos primeiros socorros.

Um dos descendentes da família Sudário, Edilson Oliveira, relata: “É muito justa a homenagem a minha tia avó Virgilina Santos da Silva que foi uma mulher desbravadora, uma pessoa que resolvia todos os problemas da família, como dizem no bom sentido; Mulher macho sim senhor, porque era do tipo faz tudo, com ela não tinha diferença nos trabalho só pra homem ou do só pra mulher, ela fazia de tudo e era respeitada; Era polícia, delegada, parteira, presidente de comunidade, enfermeira, e até pequenas incisões tinha que fazer para salvar vidas. Era a frente do tempo dela, pois já naquela época, tinha a visão dos tempos de hoje, de mulher independente, empreendedora. Então é muito justo que seja lembrada com seu nome no primeiro posto de saúde. Ressalta ainda Edilson Olibeira, que procurou os comunitários que vivem da exploração do ouro, entre outras sobrevivência e pediu o apoio para a construção de um espaço, para instalar o posto de saúde, fato este que ficou acordado com os empresários locais. Por enquanto ainda está funcionando num local improvisado, mas já estamos trabalhando na construção do posto, todo em alvenaria, inclusive a planta da obra é assinada por um dos arquitetos e engenheiro descendentes da família. Então hoje temos um posto de saúde, funcionando com profissional, remédios e um pequeno laboratório, é um grande passo para essas comunidades nas proximidades, onde vivem mais de seis (06) mil pessoas. Então agradecemos a parceria da prefeitura na pessoa do senhor prefeito Valmir Climaco e do Secretário de Saúde Iamax Prado, frisou o despachante Edilson Oliveira".

O Secretário Iamax Prado ressalta que essa conquista é muito importante para essas comunidades, pois ao longo dos anos, muitas das vezes as pessoas tinham que se deslocar até Itaituba, com problema simples de saúde que poderia ser resolvido por lá, caso tivessem esse apoio no local. E, enfatiza, que essa parceria entre prefeitura através da SEMSA e comunidade é um grande salto para melhorar a saúde básica do município.

ASCOM/PMI



Enviar por e-mail Imprimir

Galeria de fotos